Sobre pérolas e porcos

Do que foi a Veja, pouco sobrou.

A revista, que já vinha capengando sob a direção de André Petry, socialista demitido no início do ano, piorou consideravelmente com Mauricio Lima como diretor de Redação.

Petry foi demitido por Fábio Carvalho, novo dono da Editora Abril a partir de maio de 2019, quando assumiu a empresa em recuperação judicial.

Carvalho, amigo do banqueiro Andre Esteves, dono do Banco Pactual, o maior credor da Editora, colocou Mauricio Lima como diretor do semanário.

Carvalho, empresário conhecido, ao que parece tem um objetivo claro: vender notícia como se fosse refrigerante ou banana e assim transformar a falida editora -e seu investimento- em algo rentável.

O que, evidentemente, é algo diferente de fazer jornalismo.

Quem faz jornalismo de verdade são profissionais de respeito como José Roberto Guzzo.

Um mestre, dono de um estilo peculiar e crítico, Guzzo inexplicavelmente continuava na revista, uma pérola no mar de mediocridade e informações enviesadas em que se transformou o panfleto.

Isso durou até terça passada, quando Guzzo foi finalmente demitido, depois de trabalhar nela desde 1968.

O motivo: sua última matéria, onde critica o STF certeiramente.

Guzzo, jornalista brilhante, destoava nitidamente em qualidade e seriedade do resto da revista, uma colagem mal feita de textos e matérias pró esquerda.

Assim, sua saída não é inesperada.

Guzzo, como se dizia em tempos antigos, atirava pérolas aos porcos.

Houve época, lembro bem, em que eu ainda comprava a veja apenas para ler a coluna de Diogo Mainardi.

E mais nada.

Assim como hoje leitores compravam o panfleto graças a Guzzo.

A reação está aí, nas redes, muita gente cancelando assinatura após a notícia de sua demissão.

De Guzzo, ao se despedir da Veja:

“Ouvimos, desde crianças, que não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe.

Espero que esta coluna tenha sido um bem que não durou, e não um mal que enfim acabou.

Muito obrigado”

Certamente, não há o que lamentar.

Guzzo é um dos jornalistas mais respeitados do país e não lhe faltará espaço.

A revista, no caminho inverso, vai de mal a pior, chafurdando no jornalismo barato e perdendo leitores que realmente fazem a diferença.

Se Carvalho, o empresário, queria fazer o semanário se levantar, está se dando mal.

Do passado de jornalismo de qualidade, resta muito pouco ou quase nada.

Permanece apenas Augusto Nunes, outro grande jornalista.

E não se sabe até quando.

Contratado agora pela Record TV, Nunes está entusiasmado.

Dar pérolas aos porcos é um trabalho penoso e inglório.

Guzzo não merecia isso, assim como Nunes.

Parabéns por Guzzo por ter saído, e um eventual parabéns a Nunes se sair.

Não é de empresários que a boa imprensa é feita.

É de verdadeiros jornalistas como os dois.

marcoangelifull

publicitário, artista plástico e cidadão

Apoie a independência do nosso trabalho. Colabore com qualquer valor acessando: apoia.se/marcoangelifull

Mais de marcoangelifull

Comentários

Mais em Política